quarta-feira, 3 de outubro de 2012

O que fazer quando você encontrar uma pessoa com deficiência visual

Nem sempre as pessoas cegas ou com visão reduzida precisam de ajuda, mas se encontrar alguma que pareça estar em dificuldade, identifique-se dizendo seu nome. Faça-a perceber que você está falando com ela (para isso, você pode, por exemplo, tocar-lhe levemente no braço) e ofereça seu auxílio. Nunca ajude sem perguntar antes como deve fazê-lo.


Se a pessoa precisa de um guia, coloque a mão dela no seu braço dobrado, acima do cotovelo. Ela irá acompanhar o movimento do seu corpo enquanto você vai andando. É sempre bom avisar, antecipadamente, a existência de degraus, pisos escorregadios, buracos e obstáculos em geral durante o trajeto. Num corredor estreito, por onde só é possível passar uma pessoa, coloque o seu braço para trás, de modo que a pessoa cega possa continuar seguindo você. Quando tiver que ir embora, avise o deficiente visual.

Para ajudar uma pessoa cega a se sentar, você deve guiá-la até a cadeira e colocar a mão dela sobre o encosto da cadeira, informando se esta tem braço ou não. Deixe que a pessoa sente-se sozinha.

Se uma pessoa cega pede informações, tome cuidado com seu tom de voz. Não fale muito alto. Use seu tom de voz normal.

Ao explicar direções seja o mais claro e específico possível. De preferência, indique as distâncias em metros.

Por mais tentador que seja acariciar um cão-guia, lembre-se de que esses cães têm a responsabilidade de guiar um dono que não enxerga. O cão nunca deve ser distraído do seu dever de guia.

Quando for solicitado para preencher fichas ou formulários, leia pausadamente cada item. Dê à pessoa deficiente visual tempo suficiente para responder, lendo novamente o item, se for necessário.

Proporcione às pessoas cegas ou com visão reduzida a mesma chance que você tem de ter sucesso ou de falhar. Fique à vontade para usar palavras como "veja" e "olhe". As pessoas cegas as usam com naturalidade.
As pessoas cegas ou com visão reduzida são como você, só que não enxergam. Trate-as com o mesmo respeito e consideração que você trata todas as pessoas. No convívio social ou profissional, não exclua as pessoas com deficiência visual das atividades normais. Deixe que elas decidam como podem ou querem participar.

Fonte: www.pessoacomdeficiencias.sp.gov.br/portal (Com adaptações